Evento com Governador é marcada por protestos e vaias em Simões Filho

Evento com Governador é marcada por protestos e vaias em Simões Filho

Solenidade com Rui Costa é marcada por protestos e vaias em Simões Filho

Por Sérgio Ferreira 13/03/2018 - 04:33 hs

Um clima um pouco tenso antecipou o momento da solenidade de assinatura da ordem de serviço para a Policlínica Regional e do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), nesta segunda-feira (12), em Simões Filho. O prefeito Dinha Tolentino, não deixou por menos e após ter sido sinalizado pelo Governador Rui Costa, “que seria responsabilizado”, porque não teria gostado das manifestações contrárias do público presente, se levantou, no momento que o deputado Rosemberg Pinto fez uso da palavra, e pediu que os manifestantes acalmassem os ânimos.

“O povo de Simões Filho é cordial, ordeiro e educado. O governador me chamou sentado ao meu lado e me disse que se houver confusão eu serei responsabilizado. Não vai haver confusão porque sabemos nos comportar, eu nunca fugir das minhas responsabilidades, quero pedir nesse ato administrativo que todos ouçam sem vaias e sem nenhum comportamento que venha distorcer a nossa imagem”, pediu o prefeito.

Muito antes do início da solenidade, diversas pessoas cobraram providências ao governador e apresentaram suas demandas que são de responsabilidade do Governo do Estado. Entre os cartazes apresentados pelos manifestantes: “Chega de Promessas” e “Queremos segurança”, além da presença de alunos das escolas estaduais, que há muito tempo pedem a reforma das unidades escolares.

Durante pronunciamentos de deputados estaduais, federais, até mesmo do Senador da República, Otto Alencar e também durante discurso do governador Rui Costa, diversas pessoas entre o público presente, não aceitaram as justificativas das autoridades ligadas ao petista em relação às antigas reivindicações como a questão da segurança, saúde e o SAC, se expressando por meio de “vaias” “gritos”, dando a entender que nada justificava a ausência até o momento de promessas que não foram atendidas.

Denominado “pacificador”, pelo deputado estadual, Sargento Isidório, o prefeito Dinha, durante todo o evento foi aclamado pelo povo e durante pronunciamento aproveitou para cobrar todas as “promessas não cumpridas”, e logo após, elencou todas as ações que vêm sendo realizadas pela sua gestão, no sentido de melhorar a qualidade de vida dos simõesfilhenses.

No total, cerca de R$ 18 milhões serão investidos na Policlínica Regional e o valor será dividido entre as obras de edificação e compra de equipamentos. O projeto irá atender 13 municípios e consiste em um Consórcio de Saúde. Após inaugurado, com previsão para os próximos oito meses, o Governo do Estado entra com 40% e os municípios dividem os 60% dos custos de manutenção do equipamento.

Na ocasião em que defendeu as necessidades do povo simõesfilhense, o Gestor Municipal, em sua fala se dirigiu ao governador Rui Costa e lamentou o sofrimento do povo que há muito tempo necessita de soluções, ao se referir sobre o SAC, Mercado Municipal, extensão da Uneb e a Rodoviária, além da deficiência na regulação de pacientes para hospitais de alta complexidade e a segurança.

“Desde que assumi a gestão sempre procurei trabalhar de forma transparente fazendo valer o interesse do povo, não estou aqui para dar lugar ao sentimento de orgulho, de vaidade, ou interesse partidário e todos sabem que eu sou simpatizante do projeto politico do prefeito ACM Neto, mas nem isso é suficiente para tirar a oportunidade de estar ao lado da autoridade máxima do Estado, e dizer que o povo de Simões Filho sofre governador“,pontuou Dinha.